pppp
Clubes teresinenses no Brasileiro da Primeira Divisão (1962-1986)
pppp
27/07/2017

Falar em Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro de Futebol é meio complicado visto que as divisões de acesso e descenso só começaram a valer mesmo no final da década de 1980. Isso porque o torneio principal do Brasil, chamado popularmente de Nacional, era uma avalanche de clubes. 

Curiosamente, nunca um time do interior do estado esteve na divisão principal do futebol brasileiro representando o Piauí. De 1962 até 1986 apenas equipes de Teresina (River, Flamengo, Tiradentes, Piauí e Auto Esporte) participaram do Brasileiro da Primeira Divisão levando uma incrível multidão aos estádios e possibilitando mais uma opção de lazer e sociabilidade aos teresinenses.

Foram ao todo 21 campeonatos que os clubes da capital estiveram muitas vezes com vexatórias derrotas e péssimas colocações finais, mas também com excelentes campanhas e vitórias expressivas - principalmente contra os ditos clubes grandes - sendo estas duas últimas motivo de orgulho para o nosso futebol.

1. Campeonato Brasileiro de 1962 (4ª Taça Brasil)

pppp
River campeão piauiense de 1962 no campo do Lindolfo Monteiro.
Destaque para os jogadores segurando a bandeira do Piauí.
Todos atuaram nas duas partidas contra o Ceará em setembro pela Taça Brasil.
(Novembro de 1962 / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Com a unificação dos títulos em 2010 pela CBF, a Taça Brasil e o Roberto Gomes Pedrosa ganharam status de Campeonato Brasileiro. Por esse motivo, a edição de 1962 da Taça Brasil oficialmente se transformou no primeiro Nacional que um clube teresinense participou, embora isso já fosse considerado faz muito tempo.

Coube ao River do técnico Manoel da Silva, o Né, e das estrelas Valdeck, Tassú e Vilmar a proeza de representar o Piauí no certame com duas partidas no sistema de mata-mata, ida e volta, contra o Ceará Sporting Club. Primeira partida, um empate sem gols em Teresina. Depois uma vitória cearense por 7 a 5 selou a eliminação riverina na competição. Neste jogo, no estádio Presidente Vargas, o árbitro Vicente Trajano, que mais tarde seria técnico do Esporte Clube Flamengo, foi totalmente parcial à equipe cearense interferindo diretamente no resultado.

2. Campeonato Brasileiro de 1963 (5ª Taça Brasil)

pppp
River Atlético Clube que disputou a Taça Brasil e o Campeonato Piauiense de 1963.
Em pé: Ivanildo, Filomeno, Giri, Gereba, Zequinha, o goleiro Antonio Luis e o massagista Zuca Bacana.
Agachados: Ventura, Vilmar, Valdeck, Zeca, Carrinho e Tassú.
(1963 / Acervo de Dídimo de Castro / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Comandado pelo técnico José Enio da Silva, o River conseguiu pela primeira vez a classificação para a fase seguinte ao eliminar o Sampaio Corrêa. Iniciou, porém, mal no torneio no dia 07 de agosto. Jogando fora de casa, no estádio Nhozinho Santos, perdeu por 3 a 0 para o time maranhense. Recuperou-se uma semana depois, no estádio Lindolfo Monteiro, com uma vitória por 2 a 0, gols de Valdeck e Zeca.

Como o regulamento não previa saldo de gols, foi realizada uma terceira partida, dois dias depois, em um 16 de agosto, aniversário de Teresina. Milhares de espectadores que se dirigiram ao Lindolfo Monteiro vibraram bastante ao ver Zeca desempatar a partida na prorrogação e invadiram o campo ao final do jogo para celebrar o memorável feito. O resultado levou o River a jogar contra o Paysandu de Belém do Pará. Duas derrotas - uma por 3 a 1 no Lindolfo Monteiro e outra por 1 a 0 no velho Baenão (Campo do Remo) - puseram fim ao avanço tricolor.

3. Campeonato Brasileiro de 1964 (6ª Taça Brasil)

pppp
Equipe do River que jogou a Taça Brasil de 1964, atual 6ª edição do Campeonato Brasileiro de Futebol.
(1964 / Acervo de Eraldo Francisco de Paula "Loloca" / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Em sua terceira participação seguida, resultado do hexa no Campeonato Piauiense (1958 a 1963), o River mais uma vez tinha um adversário maranhense pela frente. Dessa vez era o Maranhão Atlético Clube. Sem dificuldades, a equipe do técnico José Enio da Silva goleou o clube de São Luís por 4 a 1, todos os tentos marcados pelo trio sensação do estadual: dois gols de Pedroca, um de Tassú e outro do pernambucano Loloca.

Parecia que o time passaria de fase outra vez repetindo o feito da Taça Brasil de 1963. No entanto, o Maranhão fez valer a sua qualidade como equipe local. No antigo e hoje inexistente estádio Santa Izabel, em São Luís, venceu o River tanto na partida de volta como no terceiro jogo decisivo.

4. Campeonato Brasileiro de 1965 (7ª Taça Brasil)

O Flamengo do técnico Vicente Trajano montou uma boa equipe encerrando a série de títulos do River no estadual. A conquista possibilitou a vaga na Taça Brasil em dois jogos contra o Sampaio Corrêa. Mas não conseguiu repetir a façanha. A Bolívia maranhense superou o rubro-negro teresinense com placares idênticos: no dia 18 de julho, 1 a 0 no estádio Santa Izabel e no dia 25 de julho outro 1 a 0 no Lindolfo Monteiro.

5. Campeonato Brasileiro de 1966 (8ª Taça Brasil)

pppp
Equipe do Flamengo que disputou o Campeonato Piauiense e a Taça Brasil de 1966.
Em pé: Maneca, o goleiro Brito, Celso, Eustácio, Roberto e Macalé.
Agachados: Mano, Evandro, Paulinho, Ercy e Airton.
(1966 / Acervo de Dídimo de Castro / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Mais uma vez o Sampaio Corrêa cruzou o caminho do Flamengo no Nacional. A história, porém, foi diferente. Na primeira partida Salvador e Sabará deram a vitória rubro-negra e um empate em 1 a 1 (Paulinho para o Flamengo e Carlos Alberto para o Sampaio), em São Luís, deu a vaga inédita ao clube teresinense na próxima fase.

O adversário era o Paysandu. Primeiro jogo no estádio da Curuzú, em Belém do Pará, uma derrota por 2 a 0. Na partida de volta em Teresina acontece algo inusitado: marcada para 14 de agosto teve que ser adiada para o dia seguinte porque o time paraense foi atacado por uma forte intoxicação alimentar. Se o mal-estar interferiu ou não o fato é que o rubro-negro venceu por 2 a 0 forçando uma terceira partida.

No gramado do Lindolfo Monteiro empate sem gols no tempo normal que seguiu assim até o final da prorrogação. O regulamento não previa disputa por pênaltis, mas uma simples decisão no cara ou coroa! O árbitro Airton Vieira de Moraes lança a moeda e dá cara, que havia sido escolhida por Giorgio Falângola, dirigente do Paysandu. E foi assim que o Flamengo foi eliminado na moedinha, algo raro no mundo do futebol.

6. Campeonato Brasileiro de 1967 (9ª Taça Brasil)

A CBD inovou na tabela e a Taça Brasil passa a ser disputada primeiro por grupos regionais de três ou quatro equipes. O representante piauiense foi o Piauí Esporte Clube que pela primeira vez disputava o Nacional. Estreou no dia 30 de julho, no estádio da Curuzú, perdendo para o Paysandu pelo placar de 2 a 1. Depois duas partidas contra o Moto Club: empate sem gols no Nhozinho Santos e derrota pelo placar mínimo no Lindolfo Monteiro. A vitória contra o Paysandu não impediu a desclassificação no torneio.

7. Campeonato Brasileiro de 1968 (10ª Taça Brasil)

pppp
Piauí Esporte Clube que disputou o Torneio Norte-Nordeste e a Taça Brasil de 1968.
Em pé: Tuíca, o goleiro Batista, Manuelzinho, Nonato Leite, Aluísio e Valdivino.
Agachados: Carrinho, Sima, Lelé, Valdimir e Batistinha.
(1968 / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

O Piauí manteve a mesma base da Taça Brasil anterior com o goleiro Batista, Manuelzinho, Pila, Nonato Leite, Valdimir, Aluísio e Valdivino. Somado a isso teria a estreia de Sima. Em início de carreira, havia se destacado no Torneio Intermunicipal e nas categorias de base do Enxuga Rato sendo que esse seria seu primeiro Campeonato Brasileiro. Dos cinco gols marcados pelo Piauí na competição, dois seriam anotados por Sima.

Com esses jogadores, o time teresinense foi vice-campeão do grupo Norte no Torneio Norte-Nordeste. Na Taça Brasil passou por América de Natal (2 a 0) e Campinense (1 a 0) indo à segunda fase sendo eliminado pelo Moto Club de São Luís.

8. Campeonato Brasileiro de 1973 (3º Campeonato Nacional de Clubes)

pppp
Lance da partida Tiradentes 0 x 0 Fluminense (RJ), no estádio Albertão, válida pelo Campeonato Brasileiro de 1973.
Aos 26 minutos do primeiro tempo o jogo foi interrompido devido a um tumulto nas arquibancadas.
(25 de agosto de 1973 / Jornal O Dia / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Cinco anos depois o Piauí voltaria a participar de fato da Primeira Divisão. A antiga CBD havia criado o Campeonato Nacional de Clubes, em 1971, resultado do sucesso da Taça de Prata (Torneio Roberto Gomes Pedrosa) realizada entre 1967 e 1970. A entidade resolveu estender o torneio para outras praças do Brasil já de olho no poderio que isso poderia lhe proporcionar.

No entanto, o estado do Piauí, em especial a capital Teresina, não possuía estádios com capacidade para mais de 20 mil espectadores o que inviabilizava a participação no campeonato. O acanhado Lindolfo Monteiro, por exemplo, não chegava nem a 10 mil. O governador Alberto Silva e boa parte de jornalistas e desportistas iniciaram campanha que resultou na construção e inauguração do estádio Albertão, em 1973, ano que foi terreno propício a inaugurações de obras, eventos e todo tipo de mudança física em Teresina. Cabe lembrar que no jogo inaugural parte do gradil da arquibancada se rompeu devido a um tumulto na torcida motivado pelo boato de que o estádio estava caindo, ocasionando na tragédia que matou cinco pessoas e deixou várias outras feridas.

A equipe que representou nosso futebol foi a Sociedade Esportiva Tiradentes, o popular Tigrão ou Amarelão da Polícia Militar. Garantiu vaga no certame nacional ao eliminar River e Flamengo no estranho Torneio Seletivo o que gerou protestos de dirigentes e torcedores riverinos e rubro-negros. As primeiras partidas do Tiradentes eram sempre acompanhadas de vaias - como bem acompanhou a revista Placar na época - que gradativamente sumiram com a boa campanha e as sucessivas vitórias principalmente contra Corinthians (1 a 0), Coritiba (2 a 1) e Fortaleza (1 a 0).

Os bons resultados levaram o Tiradentes à próxima fase da competição e à colocação final em um expressivo 19º lugar à frente, inclusive, dos cariocas Flamengo e Fluminense, este último campeão estadual na época.

pppp
Na imagem ao lado, o goleiro Toinho e Gerson Andreotti.
O Campeonato Nacional de Clubes proporcionou a ambos
jogar em clubes grandes de São Paulo e Rio.
(1973 / Acervo da revista Placar / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: Ademar Danilo dos Santos "Carioca")
(Clique para ampliar)

9. Campeonato Brasileiro de 1974 (4º Campeonato Nacional de Clubes)

pppp
Jogadores do Tiradentes que disputaram o Campeonato Brasileiro de 1974.
Em pé: O goleiro Toinho, Gilson, Ronaldo Alves, Almir, Célio Rodrigues e Bitonho.
Agachados: Sima, Maranhão, Miltão, Assis Paraíba e Santos.
(1974 / Acervo de Severino Filho "Buim" / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Um acordo feito em abril de 1973 entre clubes e a Federação Piauiense de Desportos apontou que o representante piauiense no Nacional de 1974 seria a equipe campeã estadual de 1973. O River com o goleiro Dé, Chumbinho, Derivaldo, Paulo Choco, entre outros, conquistou o aludido título. Os cartolas da Federação, porém, vendo a boa campanha do Tiradentes no Brasileiro 1973 terminaram por desrespeitar o combinado e indicaram o Tigrão para participar do Brasileiro de 1974.

O Tiradentes não decepcionou. Ótimos triunfos contra o Botafogo (1 a 0) no Albertão e Vitória (2 a 1) em pleno estádio da Fonte Nova, em Salvador, deixaram o clube a 01 ponto de se classificar para a próxima fase. Terminou na 25º colocação final.

10. Campeonato Brasileiro de 1975 (1ª Copa Brasil)

pppp
Tiradentes no gramado do estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC), durante o Campeonato Brasileiro de 1975.
Na imagem, os jogadores Ubirani e Derivaldo, e a torcida do Figueirense ao fundo.
O braço com camisa longa azul (cortado na fotografia) é do goleiro Jorge Hipólito.
(12 de outubro de 1975 / Acervo de Deusdeth Nunes "Garrincha" / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

A proximidade com o Brasileiro a se iniciar dia 20 de agosto resultou em falta de datas para as finais do estadual. A Federação Piauiense de Desportos decide dividir o título entre River e Tiradentes e surgiu o problema sobre quem ficaria com a vaga no Nacional. A politicagem falou mais alto e o Tiradentes foi escolhido de novo como representante do nosso futebol fato que irritou de uma vez por todas Afrânio Nunes, dirigente riverino, tendo como consequência a desistência de seu clube de participar do Piauiense de 1976.

pppp
Gols de São Paulo 2 x 0 Tiradentes, no Morumbi, válido pela penúltima rodada da segunda fase do Campeonato Brasileiro de 1975.
Apesar da derrota e desclassificação diante dos são-paulinos, o Tigrão obteve o 21º lugar na colocação final.
(06 de novembro de 1975 / TV Bandeirantes / Acervo digital Teresina Antiga / Narração: Alexandre Santos)

Porém, o Amarelão da PM conseguiu ótimas vitórias, principalmente em casa, no Albertão, diante de América do Rio (2 a 0), Flamengo (3 a 2), e Palmeiras (1 a 0), na época a Segunda Academia contando com ótimos jogadores como o goleiro Leão, o lateral Eurico e o meia Ademir da Guia. Classificou-se para a segunda fase ao lado de Cruzeiro, Corinthians, Fluminense e Guarani (SP). Não conseguiu os mesmos resultados da primeira fase - a eliminação de fato veio com a derrota no Morumbi para o São Paulo de Muricy Ramalho, Serginho Chulapa e do goleiro Waldir Peres -, mas garantiu um 21º lugar na classificação final.

11. Campeonato Brasileiro de 1976 (2ª Copa Brasil)

pppp
Lance de Flamengo (PI) 2 x 3 Flamengo (RJ), no estádio Albertão, válido pelo Campeonato Brasileiro de 1976.
(04 de setembro de 1976 / Acervo de Severino Filho "Buim" / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

A desistência do River em participar do Campeonato Piauiense e a morte do corretor de veículos Jacob Ferreira Lima, em junho de 1976, em que estavam envolvidos os jogadores Anacleto, Mundinho, Ivan Limeira, Oliveira Piauí e Erasmo, resultando na desativação do departamento de futebol profissional do Tiradentes, abriu caminho para o título do Flamengo no estadual e, como consequência, a vaga no Brasileiro.

Mesmo não tendo o mesmo apoio financeiro dado anteriormente ao Tiradentes pelo Governo do Estado, contou com bons jogadores, a maioria prata da casa. Fez uma campanha razoável somando ao final oito pontos ganhos e o 38º lugar dentre 54 equipes.

pppp
Embarque do Flamengo a São Luís para enfrentar o Sampaio Corrêa pela 1ª rodada do grupo F do Campeonato Brasileiro de 1976.
(1976 / Jornal O Dia / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

12. Campeonato Brasileiro de 1977 (3ª Copa Brasil)

pppp
Equipe do Flamengo no gramado do estádio do Pacaembu minutos antes de enfrentar o Corinthians pelo Campeonato Brasileiro de 1977.
Destaque para a presença do meia piauiense Rui Lima em sua curta passagem pelo rubro-negro teresinense.
Jogou pela Portuguesa de Desportos e pelo Marília vindo a falecer em 1982 vitimado por um acidente de carro.
Em pé: O goleiro Bartolomeu, Nilo, Jorge Luís, Marcos, Augusto e Edinho.
Agachados: Paulinho, Décio Costa, Rui Lima, Jeová e Israel.
(02 de novembro de 1977 / Acervo da revista Placar / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: José Pinto)
(Clique para ampliar)

River e Flamengo, as duas melhores equipes do Campeonato Piauiense de 1977, ganharam o direito de disputar o Nacional ajudados pelos conchavos políticos da época e o ideal de integração nacional do regime ditatorial que interferiu diretamente no número de participantes. Até então o Piauí só tinha direito a uma vaga.

Os dois times foram mal no torneio. Com 62 clubes no total o tricolor ocupou apenas o 41º lugar e o rubro-negro o 56º na colocação final mesmo tendo em seus escretes as estrelas Sima e Rui Lima que sozinhos nada puderam fazer. Com um futebol inexpressivo no Brasileiro restou só a inútil briga em alguns jornais teresinenses acusando o River de ser um clube nascido das elites e o Flamengo com raízes populares.

pppp
Gols de Corinthians 3 x 0 Flamengo (PI), no Pacaembu, válido pelo Campeonato Brasileiro de 1977.
(02 de novembro de 1977 / TV Globo / Acervo digital Teresina Antiga / Voz: Léo Batista)

O feito curioso na competição para o futebol local foram os Rivengos disputados no Albertão, a primeira vez que as duas equipes se enfrentaram na Primeira Divisão. Um pouco mais de treze mil pessoas viram o empate em 2 a 2 no dia 20 de novembro. Menos de um mês depois se enfrentariam ainda em uma repescagem do grupo M. Outro empate, mas dessa vez sem gols.

pppp
Na imagem ao lado, o Rivengo pelo Brasileiro de 1977
que terminou empatado em 2 a 2.
(20 de novembro de 1977 / Acervo da revista Placar / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

13. Campeonato Brasileiro de 1978 (4ª Copa Brasil)

River e Flamengo mais uma vez participam do Brasileirão. E de novo não conquistam bons resultados no torneio figurando nas últimas posições. Mas eis que lá pelas tantas a CBD decide reformular o regulamento - sim, e com o campeonato rolando, algo comum nesses tempos! - e dá a oportunidade para os times eliminados em uma repescagem.

Assim como na edição anterior tivemos dois Rivengos. O primeiro terminou empatando em 1 a 1 no dia 23 de abril. O segundo, pela repescagem do grupo O, vitória do Flamengo por 1 a 0 com gol de Zé Roberto aos 20 minutos do segundo tempo. No mesmo instante, o atacante Israel acerta uma violenta cabeçada em Meinha, do River. Quando o árbitro potiguar Cesar Virgilio expulsa o atacante, se inicia um tumulto generalizado entre todos os jogadores e até dirigentes. A briga só terminou com a entrada em campo da Polícia Militar do Piauí.

14. Campeonato Brasileiro de 1979 (5ª Copa Brasil)

pppp
Equipe do River no gramado do estádio Albertão saudando sua torcida na partida diante do Uberaba pelo Campeonato Brasileiro de 1979.
(02 de outubro de 1979 / Jornal O Dia / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Resultado da pressão das federações estaduais e influentes políticos, a CBD lançou o Brasileirão mais inchado de todos os tempos (93 participantes) consolidando a expressão "Onde a Arena vai mal, mais um time no Nacional, e onde a Arena vai bem, mais um time também".

Três clubes do Piauí participaram: River, Tiradentes e Piauí. Todos foram reunidos em um mesmo grupo ao lado de equipes mineiras (Uberaba e Uberlândia), pernambucanas (Central e Naútico) e maranhenses (Moto Club e Maranhão). Terminaram nas três últimas posições do grupo. O River foi o clube que mais se sobressaiu com vitórias sobre Moto Club (2 a 1) e Naútico (3 a 1).

15. Campeonato Brasileiro de 1980 (6ª Copa Brasil)

pppp
Lance da partida Flamengo (PI) 2 x 2 Fluminense (RJ), no estádio Albertão, válida pelo Campeonato Brasileiro de 1980.
O Flamengo obteve a penúltima colocação no torneio com apenas 4 pontos ganhos.
(16 de março de 1980 / Acervo de Dídimo de Castro / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

Este foi o primeiro campeonato organizado pela recém-criada CBF que passou a cuidar apenas do futebol no país. Como primeira medida decide criar outras divisões denominadas Taça Ouro (Copa Brasil) e Taça de Prata. Embora fossem teoricamente primeira e segunda divisões, os acessos ocorreram de maneira estranha em um sistema complicado onde a equipe eliminada poderia retornar ao torneio.

Na divisão principal estavam os 40 clubes mais fortes do Brasil e, a partir da segunda fase, os melhores colocados na Taça de Prata. Campeão piauiense de 1979, o Flamengo garantiu vaga na Taça de Ouro. Piauí e River ficaram na Taça de Prata.

Um péssimo desempenho fez a participação do rubro-negro teresinense ser uma das piores de um clube piauiense no Brasileiro da Primeira Divisão. Dois empates (2 a 2 com Fluminense e 0 a 0 com o Vitória) e apenas um triunfo por 3 a 1 contra o América de Natal resultou na penúltima posição, um 43º lugar à frente apenas do Maranhão.

16. Campeonato Brasileiro de 1981 (1ª Taça de Ouro)

pppp
River que se sagrou campeão Piauiense em novembro de 1980.
Todos esses jogadores disputaram, de janeiro a fevereiro de 1981, o Campeonato Brasileiro.
Em pé: O auxiliar técnico Manuelzinho, Bitonho, Ubirani, Carioca, Luís Caucaia, Ari, o goleiro Duílio e o técnico Mormaço.
Agachados: Vítor, Sima, Edílson, Meinha e Nascimento.
(1981 / Acervo da revista Placar / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: Ademar Danilo dos Santos "Carioca")
(Clique para ampliar)

Ao findar o estadual o River teve dificuldades para renovar o contrato de diversos jogadores entre eles Ari, Edmar, Nascimento e Carioca. Outros mais tiveram seus contratos mantidos como Sima, Edilson e o goleiro carioca Duílio. Israel, que estava no futebol alagoano, e Paulo César, no futebol paraibano, foram contratados pelo tricolor teresinense.

Apesar dos esforços o River do técnico Mormaço teve péssimo desempenho terminando em último no grupo e em 39º lugar na colocação final. A campanha incluiu nove jogos: cinco derrotas, dois empates e duas vitórias, estas últimas contra clubes grandes do Brasil: 1 a 0 no Atlético (MG) e 3 a 1 no Fluminense, ambas as partidas no Albertão.

17. Campeonato Brasileiro de 1982 (2ª Taça de Ouro)

O Brasileiro 1982 foi a pior participação de uma equipe piauiense na Primeira Divisão. O River terminou no último lugar da classificação geral com nenhum ponto ganho. Foram exatamente oito jogos e oito derrotas. O torneio incluiu ainda a maior goleada da história riverina: o Guarani (SP) aplicou no goleiro Teodoro um severo 8 a 0, em Campinas (Curiosamente o mesmo Guarani aplicou na partida seguinte outra goleada: 8 a 1 contra o Ceará). O placar decretou a demissão do técnico carioca Nivaldo Santana que havia sido contratado como nome de peso. O fisicultor Neto Camarço assumiu interinamente, mas os resultados não vieram pondo em xeque a nova diretoria eleita para o biênio 1982-1984 que incluía o presidente José Wilson Lima Parente e o vice José Alves Nunes Neto.

Após ser eliminado, o River foi parar na Taça de Prata. A diretoria e a nova dupla de técnicos, os ex-jogadores Manuelzinho e Derivaldo, acusaram os atletas que foram trazidos do Rio de Janeiro (Gersinho, Jorge Nunes, Milton, Carlinhos e Jorge Luís) de menosprezo aos pratas da casa estabelecendo um clima de desunião na equipe.

pppp
Na imagem ao lado, lance da partida Guarani 8 x 0 River pelo Brasileiro de 1982.
Foi a pior participação de um clube piauiense na Primeira Divisão.
(1982 / Acervo da revista Placar /
Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: JB Scalco)
(Clique para ampliar)

18. Campeonato Brasileiro de 1983 (3ª Taça de Ouro)

pppp
Gols de Tiradentes 2 x 1 Corinthians, no Albertão, válido pelo Campeonato Brasileiro de 1983.
Obs.: Originalmente não há gravado o gol do Corinthians (Talvez por problemas técnicos) marcado de pênalti por Sócrates.
(30 de janeiro de 1983 / TV Globo / Acervo digital Teresina Antiga / Voz: Léo Batista)

Depois de atuações ruins no Campeonato Brasileiro, um clube piauiense voltou a mostrar bom desempenho no torneio. O Tiradentes do técnico Alberino de Paula montou uma equipe com vários jogadores jovens, boa parte destaque no III Brasileiro Juniores 1981 em que a Seleção do Piauí foi vice-campeã perdendo no saldo de gols para a Seleção do Rio Grande do Sul.

Destacaram-se aqui os triunfos em casa diante de Fluminense (1 a 0) e Corinthians (2 a 1). O ponto baixo, já bastante conhecido, ficou por conta da goleada de 10 a 1 aplicada pelo Corinthians, no Canindé. Uma campanha com quatro vitórias, um empate e três derrotas fez o Tiradentes avançar na competição. Mesmo tropeçando na segunda fase, garantiu a 27ª colocação no quadro geral.

19. Campeonato Brasileiro de 1984 (7ª Copa Brasil)

Esta foi a primeira e única vez que o Auto Esporte participou do Campeonato Brasileiro. Para o torneio contratou o veterano goleiro Batista, o goleiro Bartolomeu, Valter Piauí, Joniel, Vágner, Augusto e Cacá, que atuou muito tempo no futebol paulista e estava na Associação Atlética Francana. Mas a estrela do time era Sima tendo feito 22 gols na temporada passada sendo o artilheiro do estadual.

Com duas vitórias sobre o Moto Club (4 a 2 e 1 a 0), e um triunfo diante da Portuguesa de Desportos (3 a 2), garantiu a sua vaga na repescagem. Partida única e eliminação diante do Joinville.

O lado cômico ficou por conta do ponta-direita Robert. Em partida contra o Botafogo, o atleta reserva da equipe foi o último a sair do vestiário no intervalo do primeiro para o segundo tempo e, depois que o time todo foi para o gramado, ele se perdeu nas escadarias do Maracanã. Um verdadeiro vexame registrado pela revista Placar.

pppp
Na imagem ao lado, Sima com a camisa do Auto Esporte.
Destaque para o patrocínio do Colégio Andreas.
(1984 / Acervo Severino Filho "Buim" / Acervo digital Teresina Antiga / Foto por: n/d)
(Clique para ampliar)

20. Campeonato Brasileiro de 1985 (4ª Taça de Ouro)

O Brasileiro 1985 foi dividido entre os 20 clubes mais bem ranqueados, os quais ficaram nos grupos A e B, os 22 campeões estaduais de 1984, e mais o campeão e vice da Taça de Prata do ano anterior (Uberlândia e Remo). Os dois últimos estavam nos grupos C e D.

Sendo campeão estadual, o Flamengo ocupa o grupo C ao lado de equipes do Nordeste, Mato-Grosso, Amazonas e Pará. Em onze jogos disputados foram três vitórias, três empates e cinco derrotas. No elenco rubro-negro estava o goleiro César - muito conhecido por ter atuado no Corinthians e falhado no chute de Paulo Roberto, do Grêmio, nas semifinais do Brasileiro 1982 -, Zuega, China, Etevaldo, Vagner, Valdinar, entre outros que fizeram parte da geração de jogadores do futebol piauiense nas décadas de 1980 e 1990.

21. Campeonato Brasileiro de 1986 (5ª Taça de Ouro)

pppp
Gols de Piauí 0 x 3 Cruzeiro, no Albertão, válido pelo Campeonato Brasileiro de 1986.
Imagens veiculadas no antigo Jornal da Pioneira (TV Pioneira) com a parte de esportes apresentada por Dídimo de Castro.
(24 de setembro de 1986 / Arquivo da TV Cidade Verde / Acervo digital Teresina Antiga / Narração: Severino Filho "Buim")

O Piauí Esporte Clube foi o último clube piauiense a participar da Primeira Divisão. Isso porque em 1986 já se encaminhava a ideia de efetivação de uma Segunda Divisão no futebol brasileiro. O processo foi conturbado e se desenrolou no polêmico Brasileiro de 1987.

O Enxuga Rato conseguiu vaga ao vencer o Campeonato Piauiense de 1985. A conquista levou a público várias histórias bizarras como a do mecânico José Carlos Coelho que desde 1970 não cortava o cabelo. Decidiu que só passaria a tesoura quando o Piauí ganhasse um título no estadual. Se José Carlos fizesse a promessa no Brasileiro teria se dado mal. Seu clube só conquistou uma vitória e um empate amargando a penúltima colocação.

RIVER ATLÉTICO CLUBE

08 participações: 1962, 1963, 1964, 1977, 1978, 1979, 1981 e 1982.

ESPORTE CLUBE FLAMENGO

07 participações: 1965, 1966, 1976, 1977, 1978, 1980 e 1985.

SOCIEDADE ESPORTIVA TIRADENTES

05 participações: 1973, 1974, 1975, 1979 e 1983.

PIAUÍ ESPORTE CLUBE

04 participações: 1967, 1968, 1979 e 1986.

AUTO ESPORTE CLUBE

01 participação: 1984.

pppp
Ajudaram para esta postagem:
# FUTPEDIA: A história do futebol em números. Acesso em 23 de julho de 2017.

# NUNES NETO. José Alves. Fatos e fotos de um campeão. Teresina: Grafiset, 2013.

# OLIVEIRA FILHO, Severino Gomes de. Memórias do Futebol Piauiense (Volumes 1, 2 e 3). Teresina: Halley, 2017

# __________________. Rivengo, o clássico do século. Teresina: Halley, 2001.

# O DIA. Teresina. Edições dos anos de 1973, 1976, 1977, 1979 e 1983.

# PAULA, Eraldo Francisco de. Entrevista concedida à equipe do site Teresina Antiga em 10 de setembro de 2016.

# PLACAR. São Paulo. Edições dos anos de 1973, 1974, 1975, 1976, 1977, 1978, 1981, 1982, 1983, 1984 e 1986.